Entregas Grátis encomendas superiores a 40€ | Apoio ao cliente info-pt@naturecan.com

CBD & BREASTFEEDING: IS IT SAFE?

After giving birth comes the sleepless nights, stress and anxiety as your body works to rebalance hormones, and you start adjusting to life with a newborn baby. With active therapeutic properties sure to help, is it safe to return to CBD once your child is born?

According to the Centers for Disease Control and Prevention (CDC), one in five women suffer from postpartum depression1. Add this scarily concerning fact to the list of physical and psychological issues that can arise after giving birth and it’s no wonder new parents are looking for extra support during this time.

Antidepressants aside, individuals needing a natural way to combat the aches, pains, stress, and more serious side effects of childbirth will no doubt have seen positive recommendations around CBD. A natural extract of the cannabis plant, CBD interacts with our body’s own endocannabinoid system – the internal function maintaining essential balance by supporting a number of vital processes, such as mood, appetite, sleep and pain. Because of this, CBD seems to offer a real solution for people with issues ranging from restless nights to increasingly debilitating conditions. But what does science say when it comes to breastfeeding your baby?

BREAST MILK BASICS

Os endocanabinóides produzidos internamente são incrivelmente importantes no que diz respeito ao desenvolvimento de um bebé, iniciando-se logo na fase embrionária para dar início às funções essenciais relacionadas com o crescimento fetal. Assim que um bebé nasce, e o desenvolvimento continua fora do útero, os endocanabinóides são então encontrados presentes no leite materno. Estes compostos promovem uma série de processos vitais, desde o apetite à melhoria do reflexo de sucção - ensinando ao recém-nascido a função essencial de receber nutrientes antes mesmo de poderem pensar por si próprios.
>br>Embora seja possível provar que os endocanabinóides estão presentes no leite materno, a ciência em torno da qual os canabinóides (os derivados da planta da cannabis) podem entrar também aí é ainda muito pouco clara. Como a CBD e outros canabinóides são lipossolúveis, estes compostos ligam-se estreitamente à gordura, tornando quase impossível medir a sua quantidade. E é esta incerteza que tem o potencial de causar problemas de saúde para o seu bebé. Porquê? A presença de THC.
>br>CBD não é psicoactiva, ao contrário do THC (tetrahidrocanabinol) - um componente de alteração química que dá aos fumadores de marijuana o seu "alto". Durante a extracção, a CBD é filtrada para remover o THC, garantindo que o produto é seguro e livre de quaisquer substâncias controladas. No entanto, pequenas quantidades deste canabinol podem permanecer. Assim, embora inofensivos para nós, são estes vestígios que podem encontrar o seu caminho para o leite natural que se fornece através da amamentação.

decorations

TRANSMITIR THC

Um estudo publicado na revista Obstetrics and Gynecology analisou amostras de leite materno de oito sujeitos de teste anónimos que utilizam regularmente cannabis e descobriu que bebés com três a cinco meses de idade, e que foram amamentados, ingeriram cerca de 2,5% da dose materna de THC.2 Por razões éticas, os investigadores não recolheram quaisquer amostras de sangue para testar os níveis de THC, no entanto, é considerado uma elevada probabilidade de que pelo menos algumas pequenas quantidades estivessem presentes dentro de cada bebé.

Estudos em torno da exposição pré-natal ao THC descobriram que existe uma ligação directa ao aumento dos resultados adversos para as mulheres e os seus bebés, tais como baixo peso à nascença, colocação na unidade de cuidados intensivos neonatais, e nascimento pré-termo. 3 Pode-se explorar aqui os factos em torno da CDB e da gravidez, no entanto, esta evidência levou a preocupações semelhantes em torno de como o THC afecta o desenvolvimento do recém-nascido uma vez transmitido através do leite materno, e por uma boa razão.
br>br>Embora seja necessário completar muito mais investigação antes de se poder verificar isto, coloca-se a importante questão: é possível evitar a exposição ao THC ou a qualquer outro canabinóide através dos métodos tradicionais de amamentação? Ou será necessário abster-se totalmente?
>br>Quando muitas novas mães decidem interromper os seus nove meses de vida saudável e finalmente desfrutam de um copo (ou dois) de vinho, é amplamente recomendado que "bombeiem e despejem". Este termo refere-se ao acto de utilizar uma bomba para remover o leite materno que possa ter sido contaminado pelo álcool antes de o deitar fora. Isto assegura que quaisquer mamadas que o bebé receba são completamente seguras. No entanto, relatórios médicos recentes sugerem que esta mesma prática não se aplica ao THC, com os vestígios da substância detectados no leite materno durante até seis dias após a ingestão.4

decorations

MAIS PESQUISA TORNA-SE ESSENCIAL

O CBD e o THC não são a mesma coisa. Com vários estudos e alegações apoiadas cientificamente, os aspectos positivos da utilização regular do CBD são impressionantes. Contudo, com o THC surge a possibilidade de efeitos adversos uma vez transmitidos aos recém-nascidos através da amamentação, especificamente relacionados com o seu desenvolvimento.
>br>br>No entanto, sobretudo por razões éticas, existe uma clara falta de investigação para provar este pensamento de qualquer das maneiras. Na sua ausência, a melhor linha de acção é seguir a orientação do seu médico, e na maioria dos casos, isto significa abster-se de qualquer produto da CBD para salvaguardar a saúde do seu recém-nascido.

Fontes:

1) Ko JY, Rockhill KM, Tong VT, Morrow B, Farr SL. Trends in Postpartum Depressive Symptoms — MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2017;66:153–158.

2) Baker, Teresa MD; Datta, Palika PhD; Rewers-Felkins, Kathleen MS; Thompson, Heather PhD; Kallem, Raja R. PhD; Hale, Thomas W. PhD - Transfer of Inhaled Cannabis Into Human Breast Milk, Obstetrics & Gynecology: May 2018 - Volume 131 - Issue 5 - p 783-788

3) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27048634

4)Anderson, O Phillip - Cannabis and Breastfeeding: Breastfeeding Medicine, 12(10), pp. 580–581